27
mar
09

(Brazzil) Guia de sobrevivência para imigrantes e turistas em São Paulo

Com esse post estou traduzindo o primeiro texto do site Brazzil. Não, não é site daquela revista de filmes pornôs das bancas de jornais, e sim um site bem tradicional em inglês sobre os desmandos e desfavores na politica e na sociedade brasileira, e todo o seu “jeitinho” de burocratizar, banalizar a ética e corromper tudo que esteja na mão de intermediários.

layers
Foto:
gbaguiar

“Eu estava lendo a pouco tempo um Guia norte-americano para visitas ao Brasil e senti uma grande simpatia do autor quando foi descrever a cidade de São Paulo. É óbvio que ele ficou tão espantado com a imensidão e aparente caos da cidade que continuou no mesmo irretocável estilo “caras e bocas” para descrever a parte vibrante da cidade, como os ótimos hotéis e restaurantes.

Ele deixou claro que a razão de se visitar São Paulo é para turismo ocasional de um dia a negócios e não para turistas despreocupados que não ficarão por perto da sua hospedagem quando passearem. Você podia quase sentir o alívio do autor ao mudar de cidade e passar para o próximo capitulo do Guia.

Esta é uma reação natural a qualquer estrangeiro que foi levado a acreditar que o Brasil é uma espécie de paraíso gigantesco com praias tropicais e florestas em todos os cantos. A verdade é que São Paulo pode ser um lugar estressante até para os paulistanos e os estrangeiros que vivem aqui.

São Paulo é tão grande que é impossivel para qualquer um conhecer a cidade inteira. Cresce tão rapidamente que já anexou áreas de municipios vizinhos como Guarulhos e Osasco, e se expande para o ABC, Jundiai, …”

“Eu vim pela primeira vez para cá a 20 anos atrás e ainda existem lugares que eu nunca estive. Eu me perdi completamente por varias vezes. Uma vez tomei um onibus de Osasco a Pinheiros. Uma distancia de aproxidamente 7 km. Depois de 10 minutos por uma rota familiar o onibus fez uma conversão inesperada em um caminho que era desconhecido para mim, passando por bairros que eu nunca havia estado antes.

Fiquei tão perturbado que perguntei ao motorista se era mesmo pro “meu” bairro de Pinheiros ou outro bairro chamado “Pinheiros” que o onibus estava se dirigindo. Ele me garantiu que estava indo pro lugar certo. Uma hora e quarenta minutos depois da saída, eu estava chegando na estação do Largo da Batata.

Eu recomendo sempre a visitantes dobrar a expectativa de tempo programado pra chegar em algum lugar por causa do trânsito. Meu conselho para pessoas morarem aqui é tentar arrumar uma residencia o mais perto possivel de onde irão trabalhar, deixem seu carros em casa e vão trabalhar de taxi, ou transporte publico, se possível. Guardem uma parte do salario para taxis que vocês economizarão mais do que andar com o seu próprio carro.

Deixe o motorista de taxi se preocupar com o estresse, custo de combustivel, estacionamento e superaquecimento de motor. Tambem é essencial conhecer um motorista de taxi que você possa confiar quando precisar chama-lo pra te levar a algum lugar. Eles são o seu guia essencial na cidade e valem o seu peso em ouro.”

“Como São Paulo não tem pontos fáceis de referência para se localizar, fora a Serra da Cantareira, é dificil apontar um alvo na vista para chegar. Dezenas de prédios arranha-céus te bloqueando a visão periférica o tempo todo e o trafego intenso dificultam o seu azimute (desorientação). Perguntar a pedestres um caminho pode ser frustrante pois eles estão tão perdidos quanto você. Não se supreenda se pessoas no metrô ou nas ruas te perguntarem sobre direção mesmo as placas e nomes de ruas estando visiveis. Isto é por causa do analfabetismo e se você parece educado eles vão assumir que você pode ler.” (1)*

(1)* – Não sejamos hipócritas, isso é a pura realidade. Analfabetismo funcional = Brasil na alma. Já passei pela mesma situação algumas vezes.

“Existem quase 1,000 rotas de onibus coletivos e quase 30 terminais. Existem tambem centenas de linhas de onibus em outros estados do Brasil e até mesmo tão longe como Santiago do Chile a 3400 km, atravessando os Andes, do outro lado do Continente, chegando e saindo de São Paulo. Existe um “transporte integrado” (bilhete único) envolvendo onibus, trens e metrô de Jundiaí até Ferrazópolis, no Sul. Parece bom no papel mas na prática é diferente.

O metrô é muito estreito para o tamanho da cidade e pode se tornar assustador em horarios de pico, pela quantidade de pessoas. Eu me expremi varias vezes durante a hora do rush nos vagões antes de chegar no meu destino para evitar ser esmagado. O serviço de trem tambem não dá conta do recado. A linha da CPTM ainda é nova e eficiente mas muitos dos trens são antigos e deveriam estar sucateados faz muito tempo. Não existem trens entre cidades próximas, algo que os Europeus acham imprescindivel.

Também não existe trem ou onibus publico para os aeroportos e os viajantes se dirigem para lá em taxis ou ônibus fretados. Os aeroportos estão em pontos distantes da cidade. O aeroporto doméstico é Congonhas, perto do bairro de Jabaquara, enquanto o aeroporto internacional fica em Cumbica, em Guarulhos. Há tambem o aeroporto internacional de Viracopos, perto de Campinas, mas apesar de ser menos usado é mais facil de chegar do que em Guarulhos.

O serviços publicos de administração não são centralizados então você pode ter que percorrer grandes distancias para fazer serviços essenciais. A sede do governo do estado fica no bairro de Ipiranga mas a administração fica no Centro da cidade. A assembléia estadual fica no ibirapuera, enquanto a Camera dos Vereadores fica no Centro antigo.

A região em torno da Praça da Sé contém algumas das principais instituições financeiras do país, como a Bovespa e BM&F, mas os principais escritórios de bancos estão espalhados em outras regiões como Osasco (Bradesco), Jabaquara (Itaú), marginal Pinheiros (Unibanco) e Santo Amaro (Santander).

A maioria das atividades industriais pesadas, como montagem de automóveis, são desenvolvidas fora da cidade nas cidades do ABC – Santo André, São Bernardo e São Caetano. O setor de serviços tende a ser concentrado na região da Paulista, Faria Lima, Itaim, Berrini mas muitas empresas se instalam mais perto de Interlagos devido ao desenvolvimento da região com a realização do GP Brasil de fórmula 1.

O perigo para a experiencia de estrangeiros é o escritório da Policia Federal localizado na região da Lapa, que é um local afastado da cidade em comparação ao antigo escritório, no centro da cidade. O endereço antigo era precário e sem muita segurança, mas pelo menos era bastante acessível.

Tive que fazer duas viagens a pouco tempo para renovar o meu visto (visa). Isto não foi apenas um sinal de que eu iria deixar de trabalhar naquelas tardes, mas sim pagar algo em torno de R$600,00 em taxi e despachantes para acertar a minha situação.” (2)*

(2)* Sentindo falta dos intermediários? Demorou, mas apareceu😆

“Isto faz parte do infame “custo Brasil” que segura todo o atraso social deste país.

Bem-vindo à São Paulo!”

John Fitzpatrick é escritor, nascido na Escócia e consultor internacional com longa experiencia sobre o Brasil. Reside em São Paulo e dirige a sua própria empresa de comunicação.

Titulo Original: The Many Faces of São Paulo, Brazil: Tips for Newcomers
Fonte: Revista Brazzil – Janeiro de 2009
*Texto Traduzido parcialmente por Claudio Pires – todos os direitos reservados ao autor e à fonte.


0 Responses to “(Brazzil) Guia de sobrevivência para imigrantes e turistas em São Paulo”



  1. Deixe um comentário

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


março 2009
S T Q Q S S D
« fev   abr »
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031  

Twitter

Blog Stats

  • 40,119 hits

%d blogueiros gostam disto: